Novos lasers são mais precisos para remover tatuagens


O risco de surgimento de cicatrizes ou de descoloração permanente da pele tratada existe, embora seja pequeno, afirma especialista

O uso de raios laser especialmente calibrados aumentou muito as chances de remover com sucesso uma tatuagem, mas o processo está longe de ser perfeito.

Para continuar a leitura clique em "Ler mais..." no botão abaixo!


Ainda é difícil lidar com desenhos de cores claras, e as tatuagens grandes (maiores que a palma de uma mão) são quase impossíveis de apagar -no máximo, o laser transforma o desenho em borrão.

"É algo a ser muito discutido com o médico antes do procedimento", diz o dermatologista Roberto Mattos, coordenador do Departamento de Laser da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia). O risco de surgimento de cicatrizes ou de descoloração permanente da pele tratada existe, embora seja pequeno: ocorre em 1% dos casos, estima Alexandre Filippo, também membro da SBD. "Isso acontece se houver um erro técnico importante. O laser é bom e bastante seguro", afirma Mattos.

Lá no Fundo


As mesmas características químicas que levaram à escolha de certas tintas para uso em tatuagens também dificultam a remoção dos desenhos mais tarde.

O aparelho usado por tatuadores deposita as tintas na derme média, camada que abriga os folículos dos pelos e as glândulas, por exemplo.

O pigmento inserido pelo tatuador é depositado a profundidades de 1 mm a 3 mm. Ele é formado por moléculas grandalhonas, que não conseguem ser "devoradas" pelas células de defesa da pele. Por isso, o laser usado para atacar a tatuagem, do tipo conhecido como "Q-switch", tem como missão fragmentar os pigmentos em pedaços moleculares menores.

Ele faz isso emitindo pulsos muito rápidos, com duração de nanossegundos (bilionésimos de segundo). A ação do laser é calibrada para que ele emita luz com comprimento de onda (ou seja, cor) cuja absorção seja otimizada para o pigmento que se deseja fragmentar.

Cada tom de pigmento absorve um comprimento de onda específico, o que exigiria alterar a emissão do laser dependendo da cor. Para Filippo, as diferentes "cores" que podem ser obtidas com o laser (a luz vermelha é mais absorvida por pigmentos verdes e escuros, por exemplo) são uma boa ferramenta para atacar a tinta de forma seletiva.

Já Mattos afirma que o processo não é tão preciso. "Mas tons escuros absorvem mais e, por isso, são mais fáceis de remover da pele", diz.


Assista o video abaixo:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar leia:

• Muito obrigada por estar comentando
• Retribuo a todos portanto deixe sua Url (exemplo: <*a *href*= "___"*>Nome do Blog ou Site<*/a*>) <- Sem os * (asteriscos)
• Proibido Palavrões e Xingamentos será banido comentário!
NÃO aceito mais Divulgação no Facebook!
• Aceito Parceria aqui no Blog
• Se for copiar e colar no seu blog me avise e coloque o meu devido créditos
-> Obrigada ;*

{ ATENÇÃO!
É proibido a copia ilegal deste, Plágio é Crime, e dá Cadeia!